segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

DO ZERO AO TOPO DE UM NOVO MUNDO





A PALAVRA CRISE EM CHINÊS SIGNIFICA OPORTUNIDADE.



Dedicado a T. M.




E mais uma de minhas amigas foi surpreendida esta tarde com um pedido de divórcio. Ela está mal, preocupada com o futuro, magoada, assustada e infeliz. Para minha amiga o divórcio representa o fim do mundo. E é.



É o fim de um mundo aparentemente seguro, mas no fundo caótico e desordenado. O fim de um mundo cheio de problemas, desilusões, mágoas e violência enrustida de amizade. O fim de um mundo que a maltratava e a fazia sofrer. É o fim de um mundo de amargura e dor.

Por que ficamos estagnados numa situação que nos faz tanto mal? O ideal do casamento é uma maravilha, mas nem sempre ele consegue ser devidamente concretizado na vida real. E as pessoas sofrem, e se anulam, e acham que sem o outro elas deixariam de existir. E não percebem o engano gigante embutido nesse falso mito. Não percebem o truque do mágico, e ficam esperando a vida inteira por um coelho que jamais sairá da cartola.

A vida é feita de ciclos. Algumas pessoas temem este conceito porque esperam que tudo dure para sempre. Mesmo quando a coisa é de fato ruim, as pessoas se agarram àquilo que já conhecem e dificilmente soltam. Aí, de repente, o trem sai dos trilhos. Uma onda monumental atinge a nossa praia. O copo transborda. Mas não conseguimos entender que aquele momento explosivo é consequência de vários pequenos e grandes erros cometidos durante a jornada. Não compreendemos que a revolução externa é um mero reflexo das mudanças internas. Não aceitamos que o velho inevitavelmente será substituído pelo novo.



Do jeito que está não pode ficar, mas o que podemos fazer?

Todo fechamento de ciclo encerra medo, angústia, dúvidas e dor. Isso é normal, humano e universal. Quando uma porta se fecha, levamos um tempo para percebermos que ainda resta uma janela aberta. Ao princípio paralisamos. Recuamos. Caímos. Mas este tombo, causado por um desequilíbrio momentâneo, é o que vai nos fortalecer depois.



Os ciclos se encerram a todo instante. Vivenciamos ciclos de mudanças no ambiente de trabalho, na vida familiar, na saúde, na idade, no nosso corpo. Tudo muda o tempo todo e esta mudança é necessária para o nosso crescimento em outros níveis.



Toda mudança gera uma crise pessoal, grupal, nacional ou internacional. Quando algo muda drasticamente, afeta todo mundo. Mas se ficássemos presos para sempre numa situação ruim por mera questão de comodidade, perderíamos o nosso maior e mais precioso dom humano: o de recriar a si mesmo e recomeçar.

Gosto de imaginar a mim mesma como uma phoenix contemporânea. É claro que os cortes da vida dóem. Mas também é claro que o corte de laços já antes desfeitos, não mata ninguém. A dor é uma coisa boa, pois mostra que estamos vivos e que nossa capacidade de sentir emoçoes fortes não foi abalada. O parceiro pode ir. O trabalho pode ir. O país pode ser deixado para trás. O dinheiro pode acabar. O mundo inteiro pode mudar, mas aquilo que somos e nossos potenciais acumulados durante a vida permanecem conosco. E é do zero que se reconstrói.

O divórcio da minha amiga trará uma série de coisas novas e impensadas para a vida dela. Ela não pode enxergar agora por causa da anestesia local que acabou de tomar. Está paralisada. Insensível às palavras de consolo. Incapaz de enxergar o futuro embutido no dia de amanhã. Mas isso vai passar. Sempre passa!

No fundo ela sabe que aquele casamento não desmoronou de repente. Muita água correu até desembocar no mar do divórcio. Foram anos de mal entendidos, brigas, ofensas, traições, mentiras e maus tratos. A coisa estava capenga há anos. Olhando de fora parecia a Torre de Pisa. Um "balança mas não cai" mambembe. Mas também havia lá a promessa do "felizes para sempre" a qualquer custo. Ao custo da nossa dignidade, da nossa capacidade de amar, dos nossos sonhos.



Minha querida, essa mudança trará um pouco de dor no início, mas ela será superada e muita coisa nova irá acontecer na sua vida. A vida da gente é a coisa mais fantástica e mágica que há. É cheia de surpresas, encontros memoráveis, novidade e beleza.

O amor que existe dentro da gente não morre com a partida da pessoa agora amada. Ele se renova, se expande, aumenta com o tempo, fica do nosso tamanho. E antes do que pode imaginar seu coração estará pulsando outra vez. E faremos uma festa nova para um novo casamento.

O importante é seguir adiante, cuidar de si mesma e não perder a coragem.


E tem mais, você é uma felizarda que conta com o apoio de grandes amigas que vão te levar para outras festas. Vamos animar o seu dia e estaremos ao seu lado doando muitos tijolos para a reconstrução da sua vida.



Vambora viver!

2 comentários:

Cláudia Martins disse...

Vc é: começa com "F".... e termina com "A". Não dá para dizer publicamente. Fiz alguns recortes desse texto e publiquei no meu facebook e é claro que coloquei o nome da autora. Bjs.

Tamara Ramos disse...

Ô amiga, vindo de você é que é "F..." Assim me emociona! :) Olha, já passei por tantas nessa vida que aprendi a levantar a poeira e rir da desgraça. E acredito de verdade em cada palavra que publiquei aqui. A vida é maior e se estivermos abertos, seremos sempre surpreendidos por uma torrente de novidades nunca antes imaginada! Vambora viver!